A Educação e o Mundo Atual


Vi hoje um vídeo excelente do prof. Mario Sérgio Cortella no YouTube, em que ele coloca em cheque a perda de noção da relação trabalho-recompensa que está acontecendo em nossos jovens.

A frase “a juventude acredita que desejos são direitos” expõe corretamente o que tem ocorrido. Mas o problema não é só dos jovens ou da sociedade. Os pais e educadores são os grandes culpados disso. Esta culpa não é só pela falta deles criarem regras e uma estrutura que evidencie a relação trabalho-recompensa, mas também pelo fato de resistirem a adaptar-se, eles próprios, ao novo mundo.

Para ilustrar o ponto de que os jovens estão desconhecendo a relação trabalho-recompensa, o prof. Cortella utiliza-se de exemplos como o da pamonha. As famílias antigamente passavam o dia inteiro de sábado preparando a pamonha juntos, cada um com seu trabalho. Só depois de tudo operacionalizado e trabalhado, eles tinham a recompensa da refeição.

Acredito que, se os pais quiserem, isto pode ser replicado à um churrasco no domingo ou outra atividade interessante e atual. Porém, o ponto que quero fazer é que existe algo que os pais e professores não estão conseguindo enxergar. Poucos adultos sabem que os jovem de hoje são capazes de foco intenso, trabalho intelectual profundo, e conseguem lidar, em modo “multitarefa”, com problemas de complexidade que pouquíssimos adultos hoje tem capacidade de lidar; tudo isto para conseguir uma recompensa que realmente lhes interessa.

Esta atividade, no mundo dos jovens, se dá nos vídeo games. Os games, hoje, são o maior campo de trabalho, cooperação e conquista que existe para eles. Jane McGonigal tem um vídeo muito interessante no TED sobre este assunto e como a gamificação do mundo real tem o potencial de mudar o mundo.

Mas então por que não vemos isto na sala de aula ou nos comportamentos que os adultos querem dos seus filhos? (voltaremos a esta pergunta um pouco mais à frente neste artigo).

E quanto à perda de paciência dos jovens, que querem tudo para ontem e não conseguem ficar sentados em uma sala de aula?

A paciência é algo relativo (lá vem o relativismo ;-)). Desde o início dos tempos, a velocidade de tudo na humanidade está mudando e sempre mudou para mais rápido. Para um homem das cavernas se locomover poucos quilômetros, ele passava dias andando. Com o tempo veio o cavalo e a canoa. Depois o carro e o avião. Antigamente, um homem de Neanderthal passava a vida inteira para aprender a usar uma ferramenta. Depois vieram os contadores de historia e os professores. Depois os livros. Depois a internet. Hoje os jovens conseguem conectar teorias complexas em minutos via Wikipedia e vídeos no TED ou YouTube. Eles conseguem absorver e processar muita informação em pouquíssimo tempo.

A velocidade do mundo é outra, então, como podemos julgar a paciência dos mais jovens? Por que os adultos se acham corretos em aprender algo em alguns dias usando um livro enquanto consideram o Neanderthal e o jovem de hoje errados em aprender em anos e minutos, respectivamente? Não me leve a mal. Acredito piamente que a paciência é uma virtude, e que os que a tem possuem uma vantagem competitiva enorme frente aos que não a tem. Porém, temos que julgar ela, e os outros assuntos aqui discutidos, sempre em relação ao ambiente e a realidade em que a humanidade se encontra, e não frente a como fomos criados no passado.

Outro aspecto muito comentado da falta de paciência atual dos jovens é que eles perdem o foco muito rápido. Mas o que poucos adultos esquecem é que a velocidade que eles processam as informações é muito diferente da dos adultos. Informações que não são objetivas, coesas ou criativamente interessantes não tem mais lugar no mundo dos jovens.

Isto é certo ou errado? Não sabemos, mas eu pessoalmente acredito que isto faz parte da nossa evolução. Com a internet, temos tanta informação disponível, de tantas formas e fontes, que a própria teoria da evolução natural de Darwin se deu conta de matar, na cabeça dos jovens, as informações que não se enquadram no “objetivo e criativamente interessante”.

Antes de julgarmos que a maioria do conteúdo que jovens consomem hoje é porcaria, temos que olhar de forma geral para o nosso próprio umbigo. Jovens e adultos gostam de se divertir, e a maioria de ambos os fazem com conteúdo intelectualmente ridículo (vide: Escolinha do Professor Raimundo, piadas do português Sr. Manoel, estórias de desastres ou infelicidades de terceiros, novelas, vídeos imbecis no YouTube ou o Big Brother). O que os adultos esquecem de ver é que os jovens também consomem, juntamente com os vídeos ridículos na internet, artigos e vídeos de alta qualidade instrutiva veiculadas pela Wikipédia, pelo TED, UOL, entre outras coisas. Acredito que nada tenha mudado em termos de qualidade de conteúdo entre os jovens e os adultos. O que mudou foi somente o meio e a velocidade de consumo. Tanto os mais velhos, quando estes eram jovens, quanto os jovens de hoje, consomem tanto conteúdo ruim para se divertir e bom para se educar.

Outro ponto do vídeo do Sr. Cortella é a falta de respeito do jovem frente ao professor e aos pais. Concordo veementemente que a falta de respeito seja errada, mas de forma geral isto sempre existiu. No passado ou a falta de respeito era enrustida quando o jovem tinha que aceitar, quieto, ao que o adulto comandava, ou ele se rebelava e se desligava dos pais de forma radical. O que existe hoje é mais liberdade de expressão, o que dá espaço para mais diálogo. Hoje, não se impõe respeito só por status ou condição social, como antigamente. O respeito deve ser ganhado em cada situação, pela conversa, admiração e o exemplo, tanto na relação professor-aluno como na relação pais e filhos. Cabe aos pais e educadores mudarem suas atitudes, estarem mais presentes e se desenvolverem psicologicamente para serem capazes de negociar com jovens que são mais informados e mais espertos do que eles foram quando eram jovens.

O ponto principal da palestra do Sr. Cortella (que os jovens estão perdendo o valor do trabalho) está corretíssimo. No entanto, no meu ponto de vista, isto evidencia o despreparo dos pais e professores em adaptar-se à atualidade.

Antigamente, produtos e opções não existiam em abundância. Informações eram escarças. As escolhas eram poucas e comprar algo demandava de certo trabalho. A ligação entre a compra de um produto e o trabalho que demandava para levantar o dinheiro para esta compra era muito mais evidente. Hoje, até os adultos perderam a noção desta ligação quando usam cartões de crédito e cheque especial.

Os pais devem sim educar seus filhos colocando estrutura, criando rotina, impondo regras (e  seguindo suas próprias regras) e colocando em evidencia a relação trabalho-resultado. Mas temos que tomar o cuidado de não criar estruturas e rotinas que imponham o modo de vida e costumes antigos, mas sim algo que dê espaço para a utilização das novas ferramentas e da nova velocidade da atualidade. A relação trabalho-recompensa pode ser criada com qualquer ferramenta e em qualquer meio. O que os pais e professores devem fazer é entender que eles também devem mudar. Eles devem adaptar-se, conhecer o novo mundo e usar da criatividade e da tecnologia para criar essa estrutura, balizar suas regras, e educar para o novo mundo.

Um grande exemplo disto, na área de educação, está sendo dado por Salman Khan (reportagem de capa de revista Veja desta semana). Há alguns anos atrás, conheci a Khan Academy e achei interessante. Depois, no começo do ano passado, assisti um vídeo no TED sobre a evolução da Khan Academy, o que realmente me deixou ainda mais interessado (vale a pena o leitor assistir).

A metodologia que eles estão testando em algumas escola na California é uma em que o aluno vê vídeos de altíssima qualidade, objetividade e didática em casa (ou em algum horário específico para isto) e usam a sala de aula para discutir, ensinar os outros, ou realizar trabalhos práticos e colaborativos em relação à teoria que aprenderam. Isto, no mundo de hoje, faz mais sentido. Como um professor espera que um jovem que está acostumado a consumir informações altamente objetivas e interessantes na internet, fique sentando em uma cadeira por horas ouvindo ele falar. Se o professor não tiver a mesma altíssima qualidade didática e tornar a aula interessante, ele não vai obter a atenção dos alunos. É correto esperar que todos os professores tenham esta altíssima qualidade de didática e engajamento? Não sei. Todos somos humanos. Mas como o Sr. Khan está fazendo, existem maneiras de massificar a entrega do conteúdo nesta qualidade e numa metodologia apropriada para o novo jovem, e depois reforçar com atividades práticas colaborativas em sala de aula. O professor não deve ser colocado de lado. O papel dele como estruturador, guia, construtor e facilitador de tarefas práticas, avaliador de progresso, direcionador, customizador e mentor no aprofundamento individual continua e até aumenta. A qualidade do professor continua sendo vital, mas agora de um modo diferente.

Este é só um dos exemplos que pode vir a dar certo. Note que nele a metodologia foi adaptada ao que funciona (na prática) para o público atual. Isto pode dar certo ou não, mas o que não se pode fazer é parar de experimentar e tentar adaptar-nos à nova realidade. Como o mundo sempre muda, sempre haverá um jeito melhor. Então, sempre temos que experimentar e nos adaptar.

Para concluir, e esclarecendo a resposta para a pergunta de “por que os jovens não aplicam seu foco dispendido em vídeo games no mundo real”: isto se dá devido justamente à falha de pais e professores de entender e adaptar-se ao mundo atual, da tecnologia, que é o mundo dos jovens. Os papeis gerais de criação de estrutura e direcionamento dos pais e professores são os mesmos, apenas os métodos devem ser alterados. Temos que reforçar e evidenciar a relação trabalho-recompensa, mas temos que fazer isto de forma interessante e adaptada para os jovens. Afinal de contas, uma coisa que não podemos fazer é julgar os jovens através do modelo de vida da época em que fomos criados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s